quinta-feira, 12 de abril de 2012

A “aceitação do inaceitável” e a morte do afeto
         Teorias explicam efeitos da violência na mídia
 

Ana Trajano

Joana é uma senhora de 76, católica praticante que não perdia a missa aos domingos. Com medo da violência que vê na televisão, ela não sabe mais o que é sair de casa. Tudo lhe assusta: sirenes, batidas na porta- mesmo que seja de familares-, passos na calçada, encontrar-se com alguém desconhecido na rua...Temerosa, ainda passa seu medo para as netas, contando os inúmeros relatos de casos de violência que assiste na televisão. Faz isso na esperança de que as meninas, todas adolescentes, procurem não sair, não ir às festas e permaneçam “seguras” em casa. “Tá muito perigoso! Você ver sair e não sabe se volta vivo”- afirma.

Pedro, de oito anos, passava as manhãs vendo os desenhos animados na TV e jogos de vídeo-game, todos de conteúdo violento. Eram os preferidos do menino. Certo dia ele chegou ao colégio e disse para a coleguinha que iria “matar todos ali. Iria fazer igual ao que tinha visto no jogo.” Assustada, a menina contou a mãe que procurou a coordenação de classe no dia seguinte. Qual não foi a surpresa de Ana ao ouvir da coordenadora que este mesmo jogo de cartas, baseado num desenho de mesmo nome, e armas de brinquedo, já haviam sido proíbidos, e eram recolhidos todos os dias na escola, mas os pais obrigavam a direção a devolve-los aos filhos.

Joana e Pedro são exemplos de como, banalizada, a violência vai fazendo suas vítimas, as fatais e aquelas que sobrevivem a ela, mas passam a apresentar problemas emocionais. Como explicar isto à luz da ciência? Qual a teoria, ou teorias, que explique (m) a questão da violência, e as consequências da exposição a ela, especialmente a midiática?

Muitos são os teóricos que têm se debruçado sobre o tema, e em contrapartida muitas são as teses existentes. Entre as principais contam-se aproximadamente 15. Entre as primeiras está a teoria lombrosiana que, mesmo sem nenhuma base científica, influenciou e, ao que parece, ainda continua influenciando muita gente no que se refere ao perfil do criminoso, sobretudo aqueles que que se deixam levar pelo preconceito.

Cesare Lombroso (1835-1909), psiquiatra, professor universitário e criminologista italiano, defendia a ideia segundo a qual o criminoso apresenta características físicas próprias, tais como: protuberância occipital acentuada, lábios grossos, nariz torcido, arcada dentária defeituosa, órbitas grandes, anomalias nos órgãos sexuais e, até, braços e mãos grandes, entre outros. Características que, como se percebe, são de pessoas consideradas “feias” e quem se enquadrasse nestas descrições podia representar uma “ameaça”. A teoria, como era de se esperar, caiu no descrédito por trazer em seu bojo o preconceito contra as minorias sociais.

A teoria lombrosiana está entre as consideradas geneticistas. A outra nessa linha é a do mapa cromossômico, segundo a qual a formação cromossômica determina também a agressividade da pessoa. Isto é, o comportamento agressivo é determinado geneticamente, pois o indivíduo o traz inscrito na sua herança cromossômica. Assim como a primeira, esta teoria não ganhou credibilidade científica, por não levar em consideração fatores sociais, psicológicos e históricos.

Os críticos da corrente geneticista afirmam que é um equívoco a conclusão implícita de que a violência é intrínseca à natureza humana. Entre os que compartilham este pensamento está o psicólogo social Erich Fromm, para quem a sociedade industrial moderna é a responsável pela onda de violência, graças as mazelas que apresenta, entre as quais o isolamento, a solidão, as tecnologias destrutivas, entre outros.

Engels também chegou a analisar a violência, vendo-a como resultado das relações de classe que se estabelecem a partir da propriedade privada dos meios de produção, já que isso representa a submissão daqueles que não possuem os meios de subsistência aos detentores  de sua propriedade.

A seguir, de forma bem resumida, algumas dessas principais teorias.

Teoria da evolução biológica – A violência é explicada através da luta pela sobrevivência. Os seres de maior poder ou força derrotam os mais fracos em nome da sobrevivência biológica.

Teoria psicofisiológica – A violência ocorre como efeito provocado por substâncias químicas e estímulos sensório-motores e comportamentais que podem alterar a conduta animal e humana. Drogas como a cocaína e o crack podem estimular e outras (álcool, maconha, heroína e alguns inalantes) podem inibir o sistema nervoso central, provocando comportamentos violentos. Apesar de ter grande credibilidade junto a comunidade científica, esta teoria é vista com restrições pelos cientistas sociais por não considerar problemas sociais, econômicos, políticos e culturais.

Teoria da dessensibilização - A perda de sensibilidade emocional, ou dessensibilização , é causada pelo ato prologado de ver violência na mídia. Segundo pesquisadores, a banalização da violência pode provocar indiferença social e política. “Neste contexto, a TV tem contribuído para fomentar o medo e a insegurança entre a população. O pior, entretanto, é o gradual processo de insensibilização decorrente da banalização da violência. Como diz Lasch, os mass media facilitam “a aceitação do inaceitável”. E mais: amortece o impacto dos acontecimentos, neutraliza a crítica e os comentários e reduz mesmo “a morte do afeto” a mais um slogan ou clichê.” A afirmação é do professor e doutor pela Usp, Magno Medeiros da Silva, no texto “Teoria das Violências, Mídia e Direitos Humanos”. Vale salientar que, entre outros, me baseei sobretudo neste texto para escrever o aqui exposto no que concerne especificamente às teorias.

Teoria da síndrome do medo – Medo exagerado e ansiedade incontrolável são alguns dos efeitos produzidos pela exposição à violência na mídia. Assim como para a senhora Joana, no exemplo citado acima, tudo e todos passam a ser suspeitos. Entre as crianças, segundo Magno Medeiros, este estado patológico dificulta a distinção entre ficção e realidade. A psicanalista Raquel Soiler, citada no mesmo texto, refere-se aos telespectadores como “teledependentes” e afirma que estes, principalmente as crianças, podem estar sofrendo de “televisiosis”, doença da contemporaneidade.

A exposição intensa a violência também pode provocar a perda de diretrizes éticas, além de insegurança e medo generalizados, segundo conclusões feitas pelos pesquisadores Werner Ackermann, Renauld Dulong e Henri Pierre jeu. Estaria deflagrando também uma espiral de violência na sociedade.

Teoria da orientação – Em resumo, o conteúdo do que é produzido na mídia serve como orientação, ou referência, que determina o comportamento do indivíduo. A mídia, neste sentido, estimula e reforça modelos, principalmente entre as crianças. Esta orientação, entretanto, depende de muitos fatores, entre os quais conteúdo da mídia,, frequência, formação, experiências passadas, ambiente familiar, etc.

(Imagem: Google)

Nenhum comentário: