terça-feira, 27 de março de 2012

Violência midiática expõe relação entre classes

Ana Trajano

A violência midiática, que alimenta com sangue os programas vespertinos, longe de representar apenas um filão bastante lucrativo, do ponto de vista dos índices de audiência, descoberto pela televisão, expõe, sob a ótica dos fenômenos sociais, as faces da luta que se trava entre as classes dominante e dominada. Vale lembrar que os veículos de comunicação pautam-se, sobretudo, por interesses políticos e ideológicos. E são tantos os abusos cometidos, e tão pouca, ou nenhuma, a legislação que regule a televisão que fica a pergunta: por quê será?

Os “mass media”, ou meios de comunicação, particularmente a TV, na verdade apropriam-se da cultura da violência para, com base nela, montar seu espetáculo. Nesse contexto, a violência já não é mercadoria oferecida apenas pelos vespertinos aqui em discussão, mas as novelas, e até os infantis, estão recheados dela. E interesse político e ideológico, no caso específico da programação policial, está exatamente em mostrar a violência pela violência, sem nenhuma discussão, ou questionamento sobre suas causas.

“É a transformação da vida humana no espetáculo da carnificina, sem nenhuma discussão política ou sociológica. Só o circo humano no seu pior formato”, compara a professora Malena Contrera, doutora em Comunicação, em depoimento no documentário “TV Alma Sebosa”, projeto de conclusão de curso na Unicap (Universidade Católica de Perbambuco). Vale salientar que escrevi este texto inspirada no documentário, e todos os depoimentos que utilizei para ilustrá-lo fazem parte dele.

Se lançássemos outro olhar para enxergar além das câmeras veríamos a sutileza que há por trás das imagens captadas pelos programas policiais. De um lado a mídia, poderoso instrumento nas mãos da classe dominante, utilizando-se de deplorável narrativa para estigmatizar as classes que literalmente considera “baixas”, sem nenhum valor, quanto ao poder aquisitivo e cultural.

Vejamos o que diz a professora Malena.“Também é uma tentativa de estigmatizar a classe pobre como “classe pobre”: a classe pobre é sinônimo de violência, de baixaria, não tem nada que preste. Só consegue alguma ascensão através da música, do Funk, do Raggae. Ou seja, é uma maneira de manter cada classe no seu lugar.”

Por outro lado, estão as classes menos favorecidas buscando nesses conteúdos o meio através do qual possam se expressar, lembrar sua existência, expor suas inquietudes, seus problemas. “Em que outro espaço na televisão brasileira a classe pobre se ver representada? –indaga a professora, para quem ela só é vista através do que existe de pior. “O que ela tem de melhor ninguém mostra.”

Esses programas, é fato, conseguem índices maiores de audiência entre as classes mais pobres. Mas porque, afinal, isso acontece? Quem procura responder é o jornalista Ivan Moraes, enfatizando também a questão da representatividade buscada pelas camadas mais populares. Na sua opinião, eles fazem tanto sucesso menos pela questão da violência, ou mesmo da cobrança por justiça e cidadania, e mais por que as pessoas que vivem nessas comunidades veem neles a oportunidade de observar parte da sua realidade.

-A necessidade não é de ver violência, mas de ver coisas com as quais se identifiquem. É ali onde ele observa o sotaque dele, a rua dele, onde ele ouve falar o nome do seu bairro, afirma.

Realidade nem sempre mostrada em sua totalidade, pois, afinal, como bem lembra Malena, a mídia é um espelho, mas um espelho dos horrores que deforma, aumenta, engorda, torce...”Então os pobres se olham no espelho da mídia e se veem deformados por essa criminalização. Isso gera um impacto muito complicado nos bolsões de pobreza que perdem a fé na sua dignidade.”

Entre as consequências dessas distorções, apontadas por Ivan, estão as dificuldades que muitas pessoas têm de conseguir emprego, e faz com que algumas procurem mentir sobre o endereço em seus currículos, visto que alguns bairros estão estigmatizados pela criminalização.

TV ESPETÁCULO

Do ponto de vista comercial, fica mais fácil entender o problema da violência na mídia quando lembramos que veículos de comunicação, no caso a televisão, são empresas que sobrevivem da audiência dos produtos oferecidos, cuja essência é a imagem. Isto é, os anunciantes, obviamente, procuram divulgar suas mercadorias em programações com maior receptividade junto ao público. “Em nome da audiência se constrói o espetáculo! É um show!”, enfatiza a jornalista Stella Maris, lembrando que os programas policiais são construídos com esse objetivo.

No que se refere ainda a audiência, há um paradoxo muito grande entre as duas classes. Para as pessoas mais afetadas, ou visibilizadas por eles, isto é, aquelas que habitam as camadas mais populares, esses programas passam, de acordo com Ivan, a sensação de conforto, de que existe um parceiro, ou alguém, que está lá lutando por seus direitos.

Enquanto que aqueles telespectadores, que não precisam desses direitos garantidos, que contam com segurança, ou do aparelho policial, ou privada, os veem como humorísticos, que são engraçados muitas vezes por mostrar a desgraça da população. “É muito perigoso quando você olha para o seu companheiro, para o seu vizinho e vê na desgraça dele a sua diversão.”

Segundo a socióloga Maria Eduarda Rocha , na sociedade espetáculo o que é vivido diretamente, passa a ser experimentado através da imagem. “Espetáculo não é sinônimo, nem conjunto de imagem. Espetáculo é um tipo de relação social, em que a vida do sujeito é completamente povoada por imagens, que não são imagens quaisquer; são imagens de mercadorias.”

Esses programas, na sua opinião, estão transformando a violência numa mercadoria extremamente cobiçada, que vende muito, já que o capital não tem pudor. “Não cabe ao capital pensar que tipo de efeito social, ou político, está produzindo. Isso é uma tarefa da sociedade, que tem de receber o apoio do Estado.”

(Imagens: Google)

Um comentário:

Daniel Castelo Branco disse...

Obrigado pelas citações, Ana.